Blog

TEM COMO ANALISAR ALGUÉM COM MÁSCARA E SABER OQUE ELE ESTÁ SENTINDO?

Fala galera! Sou Vitor Santos especialista em Linguagem Corporal, perito técnico das micro expressões faciais certificado internacionalmente pelo Paul Ekman Group, investigador profissional pela CODI-SP e criador do maior canal de Linguagem Corporal do Mundo o Metaforando. E hoje vou falar com vocês sobre como é possível analisar micro expressões faciais em uma pessoa que está usando máscara.

Estamos em plena pandemia do COVID-19 convivendo com pessoas “mascaradas”, pois é, essa situação está presente em nosso cotidiano, mas será que mesmo assim tem como analisar as expressões faciais de uma pessoa usando uma máscara?  O que eu poderia dizer a vocês sobre isso na linguagem corporal? A primeira coisa que vou pontuar é que, sim! A máscara atrapalha e muito minha análise, pois poder observar tanto a face superior quanto a inferior é ter muito mais informação pra eu “julgar” de forma mais assertiva uma micro expressão facial, e ter assim uma noção muito maior e concluir com mais precisão qual expressão que aquela pessoa está fazendo.

Porem nem tudo está perdido, pois mesmo que uma pessoa esteja de máscara, consigo fazer minha análise e você deve estar se perguntando, como assim?

Primeiro ponto extremamente relevante de ser comentado, a pessoa está utilizando a mascara e em muitos casos a mascara cobre a parte inferior da face e outras vezes aparecem usando  aquela mascara transparente que protege o rosto inteiro, mas focando então na pessoa que está usando uma máscara comum que cobre só face inferior deixando a parte superior exposta como vários estudos mostram e descrito no livro “What the Face Reveals”, e até mesmo no estudo “Executing Facial Control During Deception Situations”,basicamente a face superior é onde fica a fonte majoritária de expressões, é a região no rosto da qual temos menos controle, pois a nossa face inferior conseguimos controlar de forma consciente e reduzir ali os efeitos em até 30 %, mas não posso evitar que elas ocorram, ou seja a parte da face que fica coberta pela máscara não influencia 100% em minha análise porque ainda tenho a face superior onde conto com a fonte majoritária para observar as micro expressões e fazer análise.

Parte inferior da face.
Parte da face superior onde controle é bem menor.

EXPLORANDO A PARTE QUE FICA EXPOSTA

Já na face superior esse controle é menor, então eu tenho vista pra parte do rosto da pessoa quando ela está de mascara que a parte do rosto em que ela menos tem controle e que mais vai expressar o que ela está falando, então dá para observar varias nuances de tensão muscular, como por exemplo, a tensão muscular palpebral que pode revelar algumas expressões de RAIVA,  e até mesmo a tensão entre as sobrancelhas que pode revelar o comportamento de tristeza, e observar ainda na face superior a relação de abertura ocular por exemplo, revelando um expressão de MEDO dentre várias outras coisas. Então, sim tenho boas pistas na face superior a serem utilizadas em uma análise.

Outro ponto a ser observado, como analisar a felicidade, o sorriso genuíno quando a pessoa está de mascara, lembrando que você precisa também de um contexto, não adianta só ficar olhando para o rosto da pessoa, tem que ficar atento a outros sinais, vamos supor que ela está verbalizando algo, dizendo que está muito feliz com uma promoção inesperada no trabalho, ou que sua melhor amiga teve alta do hospital, enfim, conseguimos observar a expressão de felicidade genuína pela contração da musculatura orbicular dos olhos, os famosos pés de galinha, então vale detectar essa congruência quando quiser concluir que foi um sorriso verdadeiro.

Paul Ekman – Felicidade Genuína

E o ultimo ponto que gostaria de comentar com vocês: E então o que fazer se a face da pessoa está bloqueada pela mascara isso está dificultando muito, desisto? Não mesmo, porque eu tenho o resto do corpo da pessoa, que tem uma fonte majoritária de sinais e não apenas o rosto dela, inclusive vou citar aqui um estudo feito por Albert Frisch, professor emérito da faculdade da Pensilvânia, afirma que nos temos uma análise muito mais assertiva quando observamos todo o corpo da pessoa, a linguagem corporal dela, paraverbal, tom vocal, gestos, conteúdo da mensagem verbalizada e as expressões faciais do que quando observamos apenas um canal, ou seja, observando todos os canais não verbais nos temos uma precisão acima de 78%, então observando um canal esse resultado fica menos preciso, então veja, observe a postura da pessoa, os gestos, os toques, o paraverbal (pessoa está falando num fluxo mais rápido, mais lento, um volume um pouco mais baixo, mais alto, num tom agudo, num tom grave) enfim, tudo isso e muitos sinais que ainda podemos utilizar a nosso favor sabendo que tudo conjunto faz parte da Linguagem Corporal da pessoa, paraverbal e expressões faciais também, certo? Vamos observar com atenção o resto do corpo e não só focar na face “mascarada”.

Bom galera, vou finalizando aqui, espero que tenham gostado das dicas de hoje, se cuidem e continuem usando a máscara em meio a esta fase de pandemia pelo COVID-19.

Um abraço – Vitor Santos

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em:Blog