Blog

ISSO TE FEZ GOSTAR MAIS DO HOMEM ARANHA!

Por mais bem-humorado e carismático que o homem aranha seja nos quadrinhos, nos filmes a coisa já foi bem diferente, por conta de um processo cerebral e emocional já chegamos a considerar o cabeça de teia como estranho e até mesmo sem reação.

Hoje queremos falar sobre o porque gostamos tanto do homem aranha e o que nos faz simpatizarmos tanto com ele, mais do que com outros personagens que usam máscaras, por exemplo os Power Hangers. Vamos entender agora como o ser humano identifica a emoção nos outros humanos, como ele percebe e identifica a região ocular e a região glabelar dos seres humanos, ao longo dos anos com o desenvolvimento de nossa espécie e de outros ancestrais utilizando a face como meio de comunicação, antes mesmo de fazermos um sistema lógico de comunicação conhecido como linguagem, o ser humano já comunicava seus interesses medos e desejos por meio da face. Então imagina que tinha um grupo de ancestrais e esse grupo via um animal feroz vindo em sua direção, sempre tinha um do grupo que tinha que avisar que o perigo estava se aproximando e precisava expressar MEDO na face, então ele esticava o canto dos lábios horizontalmente, esbugalhava bem os olhos para mostrar essa expressão e dentre vários anos de processos evolutivos nós fomos apenas aprimorando a forma de expressar com a face e aprender a ler essas expressões faciais.

Dito isso, queremos perguntar, como que nos lembramos do cabeça de teia do homem aranha nos quadrinhos? Quem se lembra o que acontece com a máscara dele, quando ele fica surpreso? E quando ele fica com raiva? Exatamente! um recurso muito utilizado ao longo dos anos nas histórias em quadrinhos, não só do homem aranha, mas também do Batman, foi o recurso de utilizar os olhos (na máscara dele) para comunicar a emoção que o Aranha estava sentindo porque se não fosse assim nós não conseguiríamos saber o que estava acontecendo debaixo daquela máscara.

Nos vários desenhos exibidos do Homem Aranha na década de 90 podemos também observar isso, ele já fazia essa movimentação ocular comunicando as emoções, gerando a empatia, mas se vermos um ser que não expressa emoção de maneira correta, ou não permite que vejamos movimentação muscular em sua face acharíamos no mínimo estranho. Prova disso é o Dollynho naquele comercial de refrigerante, (risos) brincadeiras à parte vamos continuar aqui falando agora dos filmes do Homem Aranha no começo do ano 2000, que na minha opinião tem um dos melhores roteiros dos filmes do Aranha, mas neles podemos observar que infelizmente a máscara do cabeça de teia não se movimenta, a viseira dele não amplia e nem diminui acompanhando os movimentos da face, deve ser esse o motivo que fez muitas crianças naquela época acharem o Homem Aranha meio assustador, robótico ou meio sem expressão. Já no filme Home Coming tivemos aquela surpresa bem bacana que a viseira do Homem Aranha se movimenta e quando a gente vê uma forma arregalada, mesmo que seja na viseira de uma máscara o nosso cérebro inconsciente, o nosso cérebro primitivo, vai associar aquilo como uma emoção genuína, vai conectar aquela sensação do personagem conosco que estamos assistindo aquele filme, já vimos que a Marvel “manja” muito disso naquele filme “Guardiões da Galáxia” tanto que podemos assistir sem medo que não vamos nos deparar com “seres” sem expressão.

Bom pessoal, como vocês puderam ver as expressões faciais estão em toda parte, até mesmo nos desenhos dos mascarados portanto fiquemos atentos ao que elas têm nos mostrado.

Abraços!

Transcrição – Equipe Metaforando.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em:Blog